segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Me deleitei com o teatro

Nas duas últimas semanas tive oportunidade de ver dois espetáculos teatrais inesquecíveis. O primeiro aconteceu na rua, com o Grupo Teatro que Roda, numa adaptação do clássico Macunaíma de Mário de Andrade.

O que mais surpreende nas peças do grupo é que elas são de rua, mas se movem, se deslocam pela cidade e se apropriam de seus ambientes. Foi fantástico acompanhar seu deslocamento, participar da cena, se surpreender com os movimentos das personagens, suas idas e vindas e aparições em lugares improváveis. Uma arte de rua pulsante, alias, arte pulsante e em movimento literal. O centro foi muito mais divertido e vivo durante aquela hora.

Ontem fui ver o Circo Teatro Udi Grudi, de Brasília, no Teatro Sesi, aqui em Goiânia. No caso deles, o que impressiona é sua criatividade para transformar objetos do lixo, da sucata, em um cenário vivo, em instrumentos musicais, em personagens, figurino, tudo ali era reaproveitado, ganhava vida nova.

Me identifico demais com esse trabalho, pois no grupo que participo, o Vida Seca, fazemos algo semelhante, porém, mais musical e menos teatral. Foi inspirador assisti-los, uma peça simples e forte, sobre a miséria humana e nossa capacidade de superação.

Um salve para o teatro!

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

1 milhão de carros, o pesadelo real

A propósito da minha postagem anterior, li hoje que a frota de veículos individuais em Goiânia, sem contar as motos, deve alcançar até o fim do ano a marca de 1 milhão de automóveis.

Logo teremos que construir prédios pros carros viverem, ou as pessoas poderiam começar a viver dentro deles, pra economizar espaço. Piadas à parte, é triste ver que o incentivo à compra de veículos individuais só aumenta e não se pensa em investimentos para o transporte público. Nem via exclusiva pra ônibus funciona nesta cidade. Ciclovia então, é tratada como piadinha.

Aqui o individualismo capitalista se manifesta de forma gritante no automóvel particular, o "carro do meu sonhos", que já é pesadelo real. Essa cortina de fumaça é densa.

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Goiânia motorizada

Goiânia completou 77 anos, é a terceira capital mais jovem do país, mais velha que suas irmãs Brasília e Palmas. Eu vivo aqui há 16 anos. Sou mais um dos milhares de migrantes que vieram pra cá, mais um das Minas Gerais.

Muita coisa mudou por aqui nestes 16 anos. Prédios brotaram aos montes, comércios apareceram do nada, a vida cultural se agitou, a população cresceu, tragédias como a do Pq. Oeste Industrial aconteceram e foram meio que esquecidas, mas com certeza, o que mais tem me marcado é ver a crescente motorização da cidade.

A cada dia suas ruas ficam mais abarrotadas de veículos, a cada dia as pessoas vão ficando mais intolerantes neste trânsito caótico. Os prejuízos não são somente à mobilidade urbana e à boa convivência entre os cidadãos, mas também ao meio-ambiente, já que o ar da cidade se torna cada dia pior. E os carros velhos, vão pra onde? Já perceberam o tanto de novas concessionárias que vem abrindo as portas?

Eu sempre gostei de viver em Goiânia, mas tenho sentido que um futuro sombrio vem pela frente. A cidade motorizada é uma cidade cada vez menos humana, aliás, ela revelará o pior lado de nossa humanidade. Espero que esse meu pessimismo não se realize, mas observando a realidade, é dificil pensar diferente.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

Descobrindo Vitor Ramil


Recentemente descobri esse músico e compositor gaúcho chamado Vitor Ramil. Nunca tinha ouvido falar. Na verdade, estava procurando alguma coisa do Marcos Suzano pra baixar, fui ao site Um que Tenha e achei o disco Satolep Sambatown, de 2007.

Fiquei curioso e resolvi baixar. E que grata surpresa, o disco logo caiu no meu gosto e agora ando por ai cantarolando suas melodias. Penso que é um dos melhores discos desta década que se encerra, e, como disse meu amigo Kleuber em seu blog, misteriosamente passou despercebido.

O certo é que fiquei tão apaixonado por ele que agora estou descobrindo toda obra de Ramil, que se iniciou em 1981, ano em que nasci. Neste ano ele lançou o album Estrela, Estrela, nome de uma das canções, muito linda por sinal. Este primeiro disco lembra a MPB da época, tem horas que me pareceu muito com Milton Nascimento, e tem até um baião.

O interessante é notar a transformação do artista, que passou cada vez mais a buscar uma estética que evocasse o sentimento do individuo do sul do Brasil, o que ele chama de estética do frio. Albúns como Ramilonga e o recente Delibab trazem esse ideia com força, que aparece um pouco mais diluída em Satolep e também no excelente Tambong.

Depois que eu me familiarizar mais com sua obra voltarei a escrever. Se você também quiser descobrir e ouvir esse fantástico artista, entre no blog Um que Tenha e baixe seus discos. Vale muito a pena.

Vitor Ramil no Um que Tenha

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Tiririca e a Elite


Num primeiro momento fiquei achando ridículo a candidatura de Tiririca para deputado federal. Me veio aquele sentimento de indignação, de que realmente essa política não é séria.

No entanto, passei depois a analisar melhor os discursos contra ele e percebi o tom elitista que os impregnava. Analfabeto, palhaço, despreparado entre outros adjetivos. A questão é que muitos escolados por ai, que andam de terno, provavelmente tem uma estatura moral e ética muito menor que a desse execrado humorista.

Sim, no fundo os gritos contra Tiririca são a Elite incomodada, pois não é um deles que está lá, não é um deles o campeão de votos na sua democracia, e sim, mais uma pessoa de origem pobre, supostamente analfabeto e nordestino.

Com certeza foi o ato de humor mais subversivo de Tiririca. Agora vamos ver como essa história prossegue. Enquanto isso essa tira do genial Laerte demonstra bem o que eu disse aqui.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

As mulheres decidem


Um assunto polêmico, que tem protagonizado essas eleições. No fim é mais uma tentativa da moral religiosa controlar nossos corpos, aqui os femininos. Mas eles querem controlar todos e vemos isso quando são contra a união civil homossexual, a adoção de crianças por casais homossexuais, a condenação ao uso da camisinha.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

Imundice eleitoral

Os postulantes a cargos públicos nestas eleições mostraram toda sua falta de respeito aos espaços coletivos, sujando as ruas das cidades com milhares de santinhos que nem poderão ser reciclados.

No sábado pela manhã estive em Aparecida de Goiânia para dar aula, e me deparei logo cedo com a cidade totalmente imunda, com santinhos, bandeiras e mesmo cartazes jogados por todos os lados. Algumas crianças, em sua inocência, corriam a coletar diversas bandeiras, que possivelmente seriam reaproveitadas em alguma brincadeira.

Não foi diferente o cenário em meu retorno à Goiânia, com ruas completamente imundas. Lembro-me que anos atrás esse cenário era constante durante as eleições, causando um prejuízo ambiental gigantesco. Hoje, com algumas mudanças na lei eleitoral, os candidatos são obrigados a se conterem, mas na vespéra das eleições sempre retornam a essa prática, mostrando um descaso total pela cidade, pelas pessoas, pelo meio ambiente.

E ainda querem ocupar um cargo para representrar o povo? Querem trabalhar pelo coletivo? Alguém acredita? Talvez aqueles que assim como eles veem o mundo como nossa grande lixeira.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

sábado, 18 de setembro de 2010

Inimigos

foto Marcelo Justo

O artista Gil Vicente se auto-retrata assassinando FHC e Lula. Há outras vítimas, como Bento 16 e George W Bush. São seus inimigos, aliás, o nome da coleção de obras é esse, Inimigos.

Estara em exposição na Bienal em São Paulo, que começa no próximo dia 25, e vem causando polêmica, já que a OAB SP entrou com ação na justiça pedindo a censura da exposição publica da obra, pois alegam que ela faz apologia ao crime e à violência. Gil respondeu, "apologia ao crime é o que o nosso governo faz o tempo todo, é o que os políticos fazem, como roubar dinheiro público".

E ainda revelou: "Eu não queria desenhar ninguém matando, eu queria desenhar a mim mesmo matando. Não pouparia ninguém desses assassinatos, de jeito nenhum. Pelo contrário, eu tenho uma lista muito maior, representando vários tipos de poder, em vários lugares do mundo."

informações colhidas em uma matéria da Folha de SP.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Lembra?


Sabemos que a política é cheia de jogadas ardilosas, onde aquilo que um dia foi dito e feito simplesmente parece não ter existido. Podemos ver essa dissimulação na maioria dos políticos, principalmente naqueles que já ocuparam cargos públicos e praticaram seus desmandos ou demonstraram todo sua inconpetância e má fé.

É o caso de Marconi Perillo, que convoca para um ato público neste sábado em prol do Centro Cultural Oscar Niemeyer. Pelo que sei foi ele um dos principais responsáveis pela situação deste espaço público, junto ao atual governador Alcides Rodrigues, que Perillo ajudou a eleger. Um inaugurou o local sem estar pronto, com intenções eleitorais e o outro abandonou o projeto aparentemente de propósito, buscando jogar o ônus para seu futuro adversário. Hoje cada um busca usar a situação a seu favor, apostando em nosso esquecimento, em nossa apatia, talvez, em nossa falta de ética análoga à deles próprios.

O mais preocupante e ver que esse homem será provavelmente o próximo governador de Goiás. Mas afinal, haveria alternativa à ele? Pelo visto não há nada que possa ser muito diferente dentro deste sistema. Há?

domingo, 12 de setembro de 2010

Um sábado...

O sábado que passou, dia 11 de setembro, tem muita história, é um dia marcante para o mundo que lembra do atentando ao World Trade Center e do golpe militar de Pinochet no Chile. Na minha história pessoal é o dia do aniversário de um grande amigo.

Este último 11/09 também marcou, com a mobilização no Circo Lahetô do I Forúm em Defeda do Parque da Criança. Eu estive lá com o meus companheiros do Vida Seca e noss@s alun@s do Batuque Revolução e do Bloco Vida Nova. Tod@s junt@s representavamos o projeto Lixo Ritmado, Batuque Reciclado e reafirmamos nosso compromisso com a luta por esse importante espaço da população da grande Goiânia, ameaçado por interesses do mercado imobiliário, já que está localizado na região onde atualmente se cobra o maior preço por metro quadrado de terra, o bairro Jardim Goiás.

Foi marcante também minha ida na Rua 8, ali no calçadão conhecido como Rua do Lazer, onde acontecia evento musical integrante da tal 1º Grande Revirada Cultural Goiânia, esse fato que aconteceu meio do nada este ano, por acaso às vesperas das eleições. Cheguei por lá e acontecia um show de rock pesado, , aquele estilo heavy metal com instrumental pesado e gritos agudos do vocalista, tudo em inglês. Certamente não foi isso que me tocou, se não o fato de ter encontrado queridas amigas e amigos, alguns dos quais não via a certo tempo.

Pelo lado musical me chamou a atenção a apresentação do meu companheiro na banda Pó de Ser, Diego, com seu outro projeto, o instigante Sindicato. Eu já havia gostado muito de ve-los no Perro Loco, e ontem foi mais uma oportunidade de ir me aprofudando no vigoroso som que vem produzindo, com uma pegada bem rock and roll e letras(em português, ufa!) muito interessantes, algumas que deixam o público desconcertado.

Em seguida terminei minha noite com um dos programas que muita gente vem adorando aqui em Goiânia com muita razão, um show musical no Circo Lahetô. Desta vez pudemos curtir a bela apresentação de Renata Rosa e sua trupe, além de noss@s amig@s d@s Passarinh@s do Cerrad@. Foi um belo fechamento para mais um dia 11 de setembro memorável, desta vez com coisas boas e a esperança que elas continuem acontecendo, principalmente com participação popular, mesmo diante dos mais escusos interesses políticos e econômicos.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Vamos juntos pelo Parque da Criança, por nosso direito aos espaços públicos


Tá aí uma causa extremamente justa. Lembro-me que já há alguns anos o Parque da Criança, ao lado do estádio Serra Dourada, sofre está ameaça de desaparecer, e em decorrência disso todos os projetos que ali acontecem, além da perda de mais um espaço público para o uso da população.

Os rumores, pois até hoje não sei direito o que se passa, são de que ali serão construídas instalações para abrigar a burocracia do judiciário goiano. Daí eu penso, perplexo, porque que eles querem construir exatamente ali, aonde acontecem movimentações sociais legitimas e importantes como a Feira do Cerrado e o Circo Lahetô? Não existo outro lugar nesta cidade cheia de especulação imobiliária para esse empreendimento?

Não vou nem falar de patrimônio ambiental, pois essa parte do Parque já está bem debilitada, mas o movimento que acontece ali é importantissimo para Goiânia. A Feira do Cerrado já é consolidada no local, envolve dezenas de trabalhores/artistas e é sucesso de público. O Circo Lahetô é um dos principais projetos artisticos e sociais desta cidade e é um parceiro de diversos artistas e produtores culturais, que utilizam suas generosas tendas para fomentar a produção independente e a cultura popular, abrangendo vários setores da música e das artes cênicas, além de projetos educativos.

Diante disso tudo eu sei que neste sábado estarão por lá todas e todos que sabem desta importância e querem contribuir para que continue sendo assim sempre. Eu estarei lá com o Vida Seca e noss@s alun@s do Batuque Revolução. Também estarão diversos grupos artisticos e invidívuos que acreditam nesta causa. À noite, pra celebrar a mobilização, show com Passarinhos do Cerrado e Renata Rosa.

Te espero lá, neste e em muitos outros dias.

domingo, 5 de setembro de 2010

Pó de Ser na Revirada Cultural?


E ai vamos nós para nossa terceira apresentação, desta vez na programação da Revirada Cultural em Goiânia. O som está encorpando, dando liga. E pra melhorar tudo vamos ter nossos amigos do Triêro se apresentando também, além do Tonzera e sua banda.

Inclusive, vi que a Parada do Orgulho LGBTT(Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais) de Goiânia vai ser amanhã e já convido a galera pra cair lá e curtir. Pódeser?

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Mundinho Animal


Descobri esse interessante trabalho do cartunista Arnaldo Branco. Trata-se de uma visão irônica e bem humorada do mundo das artes, da crítica cultural, internet, entre outros. Os seres humanos tornam-se animais, com um traço engraçadinho e infantilizado, que aumenta ainda mais o tom do rídiculo. Uma boa para uma auto-reflexão de nós que estamos no mundo das artes e afins.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Umbando no Segunda Aberta


Primeira apresentação dos meus queridos amigos do Umbando no projeto Segunda Aberta, e, pelo que eu saiba, primeira vez deles num teatro pra platéia sentada. Vale a pena conferir pra ver como funciona neste novo formato este show já consagrado aqui em Goiânia.

terça-feira, 22 de junho de 2010

¿por quá? estréia novo espetáculo


As quintas do último mês movimentaram corpos e ideias no Teatro Goiânia Ouro, com a temporada Quinta tem Dança, promovida pela Forúm de Dança de Goiânia, buscando integrar vários grupos de dança locais, fortalecendo assim o conário da dança contemporânea na cidade.

Agora, nesta quinta, pra encerrar esta temporada, uma pré-estréia muito aguardada, do novo espetáculo do¿por quá? grupo experimental de dança , Chá do fígado, baço e memória. Trata-se de um espetáculo resultado de projeto contemplado com mini-edital interno do grupo que dá portunidade aos dançarinos-pesquisadores de conceber e executar obra de dança. Desta vez meus querid@s Luciana Celestino e Hilton Júnior são os estreantes na direção. Agora só nos resta estar lá, e quem não puder, não quiser ou etc e tal, pode ir também nos dias 9 e 10 de julho. Como disseram os próprios porquarianos, não há desculpa pra não ir.

dia 24 de junho, quinta-feira
20:30 - Teatro Goiânia Ouro
Rua 03, esquina com Rua 09, nº 1016, Galeria Ouro, Centro - Goiânia - Goiás
3524-2541 - Bilheteria
R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia)

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Pelo direito de tocar


Amig@s!!! Depois de uma longa ausência devido a viagens e outras cositas mas, estou de volta pra ficar. Retorno com uma postagem importante, uma reunião de músicos para discutir a repressão imposta pela Agência de Meio Ambiente aos artistas que tocam na noite goianiense. É batido, mas é verdade: a união faz a força!!

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Vida Seca no Bananada 2010


Tá rolando o Bananada minha gente, um dos maiores festivais de música aqui de Goiânia. Começou ontem e vai até domingo. Amanhã eu toco com o Vida Seca, na programação do Martin Cerêrê, 21h30.

Conheço muito pouco das outras bandas, mas alguns nomes me chamaram a atenção, como a Camarones Orquestra Guitarristica, do Rio Grande do Norte, que toca logo após a gente. Tem também a bem comentada Caldo de Piaba, do Acre. No domingo tem os debochados Waldi e Redson, na Ambiente Skate Shop. E certamente muitas outras bandas interessantes que eu não conheço, e claro, algumas que eu nem quero conhecer. Yes, nós temos bananas!!

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Pó de Ser se espalhando por ai...

Semana de poucas postagens aqui no Arteiro, devido a algumas correrias. Uma delas foi o show do Pó de Ser no Projeto Segunda Aberta, no Goiânia Ouro, sobre o que vou tratar aqui.

Tivemos pouca platéia, mas os/as que estiveram lá gostaram muito do som. Foi legal poder trocar ideias com as pessoas depois, ouvir os elogios, as impressões. No palco posso dizer que tocamos com grande prazer, uma vibração muita boa percorreu todos nós e me deixa ainda mais animado para essa nova trajetória.

Num bate-papo com o Macloys, da banda Mersault e a Máquina de Escrever, surgiu um dialogo interessante, onde ele questionava quem tinha encontrado quem, no caso, se o Diego de Moraes tinha encontrado a "galera do regional" ou se a galera tinha encontrado ele. O Diego disse que procurou por isso, mas eu acho que foi mais um desses acasos premeditados do destino que possibilitaram esse encontro de sonoridades que estão tão perto e tão longe e resultaram numa fusão excitante e provocativa. Logo logo esse Pó vai estar espalhado nos seres por ai.

Veja ai abaixo a participação que Kleuber, Diego e Hermes fizeram no DM TV, algumas horas antes do show.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Com vocês, Festival Galhofada 2010


Pelo sétimo ano seguido acontece o Festival Galhofada, promovido pela Oficina Cultural Geppetto na Ilha da Galhofa, Alameda Henrique Silva, no Setor Pedro Ludovico em Goiânia. Trata-se de uma bela iniciativa, que leva ao público do bairro e da cidade diversas apresentações e oficinas de diversas linguagens artisticas, totalmente de graça.

Neste evento a união faz a força, já que os artistas se apresentam pelo prazer de mostrar sua arte, sem receber por isso. No ano passado toquei lá com o Vida Seca e foi ótimo. Para este ano a programação aumentou para 4 dias, prova de que o evento vem ganhando cada vez mais respaldo do público e dos artistas locais. Vamos então galhofar minha gente!! Confira a programação completa abaixo:

Quinta-feira dia 13/maio/2010

18:30 h - Prof. Mariângela (Palhaços) – abertura e inserçoes entre os espetáculos

19:00 h – Viagem ao Coração da Cidade (Constantino) circo

20:30 h – Cenas Curtas circo

-Sapequinha Troupe Show (Sapequinha)

-Quasar Jovem (Vera Bicalho)

-Baú Produções (Rafael)

-Arte & Fogo (Semio Carlos) (?)

-Street Dance (Rubem)

-Mr. San (San)

-Thaíse Poeta

- *Lenita


Sexta-feira dia 14/maio/2010


18:00 h – Trupe da Guadalupe (Guadalupe) palco externo

19:30 h – NuEscuro – “Envelopes” circo

21 h – Zabriskie: Juca Mole e Ana Banana “Amor I Love You” palco externo

22 h- Umbando circo


Sábado dia 15/maio/2010

9 h – oficinas até 13 horas inscrições ao lado do circo às 8:00h

16 h – O que teria na trouxa de Maria? (Clube da Folia) Lua circo

17 h – Cortejo – 50´ Ruas do Setor Pedro

18 h – Trip-Trapo (Bolacha) 50’ Palco externo

19:30 h – Grupo Urubu Rei – Renata Caetana “As Três Irmãs” Circo

21:00 h – Circo Lahetô “Acro-loucos” (Maneco) Circo

22:00 h - Lançamento do livro “Palco Aberto” de Renata Caetano Geppetto

Confraternização

Domingo dia 16/maio/2010

10 h – Novo Ato – Príncipe Feliz circo

11 h - Discussão de documento aos candidatos 2010 Geppetto

13 h - Almoço

18 h – A Fábula da Casa das Mulheres sem Homens (Sala 3) Palco externo

19:30 h - Grupo Solo de Dança – “Hoje é Domingo”. Circo

21h - Passarinhos do Cerrado Circo

22h - Grupo Sertão Circo

Oficinas

Trupe da Guadalupe – dedoche Geppetto – área externa

Eva – dobradura e pintura de rosto Geppetto – área externa

Júlio Rodrigues – Tecido acrobático circo

Circo Lahetô – técnicas circenses circo

Teatro Infantil – Novo Ato Geppetto

Thaíse – leitura interpretativa de poesia Ilha da Galhofa

Streetdance Circo

Diane Valdez – oficina, contação de histórias ... Geppetto

*Brechó de Figurinos (Rita Alves – Reinação) nos 3 dias

* Inserções de palhaços (Emac/UFG) entre as apresentações

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Mostra de Ingmar Bergman no Goiânia Ouro


Começa hoje e vai até o dia 30 de maio a mostra Ingmar Bergman, o cinema transcedental, no Cine Goiânia Ouro. Recentemente houve uma mostra, que não sei se é a mesma de agora, no Cine UFG. De qualquer maneira, é mais uma oportunidade de ver grande filmes deste artista das luzes e das sombras, que explorou a fundo a alma humana.

A propósito da mostra anterior fiz uma postagem relembrando meu primeiro contato com sua obra, O dia em que topei com Ingmar Bergman.

domingo, 9 de maio de 2010

Projeto 96 realiza apresentações

Uma postagem com um pouco de atraso, pois as apresentações começaram nesta sexta, dia 7, mas felizmente irão até o dia 22, na cidade de Anápolis. Trata-se do Projeto 96, idealizado e realizado pelos grupos surgidos no ano de 1996 em Goiânia, Cia Teatral Nu Escuro, Circo Lahetô e Grupo Solos de Dança, com produção da Lúdica Produções. O patrocínio é via prêmio Funarte Artes Cênicas na rua 2009.

São grupos representativos das nossas artes cênicas, e posso falar melhor da Nu Escuro e do Circo Lahetô, que conheço bem. A primeira possui um trabalho de pesquisa cênica muito interessante e diversificado, com peças que vão do teatro de rua ao de bonecos, passando por adaptações literárias e textos próprios. Além disso, tem feito um esforço de produção admirável e dentre os grupos teatrais da cidade talvez seja o que mais se relaciona com outras artes, fazendo diversas parcerias.

O Circo Lahetô tem o grande mérito de ter consolidado a arte circense no cenário goianiense, realizando um trabalho social admirável formando diversos jovens e consolidando um espaço cultural que hoje é referência na cidade, sendo palco para diversos espetáculos musicais e de artes cênicas. Além disso, produziy trabalhos de grande mérito artístico e cultural, como o recente História de Goiás no Picadeiro.

Agora juntos ao Solos de Dança realizam este projeto muito importante, que ofereceu oficinas e agora apresentações abertas ao público, mantendo a coerência dessas belas histórias iniciadas em 1996.

Confira a programação:

GOIÂNIA

Dia 07/05 - Sexta
Local: PARQUE DA CRIANÇA - CIRCO LAHETO
18h30 - Acroloucos - CIRCO LAHETO
20h - O cabra que matou as cabras - CIA DE TEATRO NU ESCURO
21h- Hoje é domingo - GRUPO SOLOS DE DANÇA

Dia 08/05 - Sábado
Local: JARDIM BOTÂNICO - SETOR PEDRO LUDOVICO
16h - Acroloucos - CIRCO LAHETO
17 h - O cabra que matou as cabras - CIA DE TEATRO NU ESCURO

Dia 09/05 - Domingo
Local: JARDIM BOTÂNICO - SETOR PEDRO LUDOVICO
17h - Hoje é domingo - GRUPO SOLOS DE DANÇA

Dia 14 /05 - Sexta
Local: Alamenda Henrique Silva - Pedro Ludovico - dentro da programação da GALHOFADA - pequena mostra de teatro de rua
19h30 - ENVELOPES - CIA DE TEATRO NU ESCURO

Dia 15 /05 - Sábado
Local: Alamenda Henrique Silva - Pedro Ludovico - dentro da programação da GALHOFADA - pequena mostra de teatro de rua
21h - Acroloucos - CIRCO LAHETO

Dia 16 /05 - Domingo
Local: Alamenda Henrique Silva - Pedro Ludovico - dentro da programação da GALHOFADA - pequena mostra de teatro de rua
19h30- Hoje é domingo - GRUPO SOLOS DE DANÇA

ANÁPOLIS

Dia 21/05 - Sexta
Local: PRAÇA DO ANCIÃO (EM FRENTE AO PRÉDIO DA PREFEITURA)
19h - O cabra que matou as cabras - CIA DE TEATRO NU ESCURO

Dia 22/05 - Sábado
Local :PRAÇA DO ANCIÃO (EM FRENTE AO PRÉDIO DA PREFEITURA)
17h - Acroloucos - CIRCO LAHETO
19h - Hoje é domingo - GRUPO SOLOS DE DANÇA

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Oficina Cultural Geppetto em maio

Mais um mês e como sempre Oficina Cultural Geppetto com deliciosas pizzas e atrações artísticas. Para a noite musical a belissima voz de Chico Aafa, com o show "Por Onde Eu For". A noite teatral fica por conta da Cia de Teatro Novo Ato com a peça "Diário de um Louco".

Francisco Aafa em “Por Onde Eu For”
Data: 07 de maio de 2010 – sexta-feira
Horário: serviço 20 horas
Apresentação: 22 horas

Cia de Teatro Novo Ato
Espetáculo: "O Diário de um Louco"
Ator: Luiz Cláudio
Direção: Marília Ribeiro
Produção: Pedro Antônio
Data: 08 de maio de 2010 – sábado
Quando: às 20 hs serviço às 21:30 h apresentação


Local: Oficina Cultural Geppetto, Rua 1013 nº 467, Tel. 3241 8447, Setor Pedro Ludovico
Contribuição: R$ 20,00 adultos, R$ 10,00 crianças de 4 a 12 anos (inclui pizza, refrigerante, suco e a apresentação)

terça-feira, 4 de maio de 2010

Sessão do Cine Clube Cascavel discute direito autoral

O Cine Clube Cascavel exibe hoje, às 19h30, no Centro Cultural Cara Vídeo(rua 83,nº361, Setor Sul) o documentário Good Copy, Bad Copy, de Andreas Johnsen, Ralf Chistensen e Henrik Moltke.

O filme discute a questão do direitos autorais e da livre distribuição de bens culturais. Para saber mais acesse o blog do Cine Clube.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Hoje tem Segunda Aberta


A cantora Elen Lara apresenta hoje o show "Simples Gestos", no projeto Segunda Aberta, no Centro Cultural Goiânia Ouro, à partir das 20 horas. Mais informações aqui.

domingo, 2 de maio de 2010

1º de maio para reflexões

Ontem foi dia 1º de maio, Dia do Trabalhador. É uma data que já possuiu um simbolismo e uma importância maiores para a luta de homens e mulheres por melhores condições de vida, por mudanças na sociedade.

De uns tempos pra cá se resume a festas promovidas por centrais sindicais e sofre com as tentativas dos poderosos em mudar seu significado, transformando-o no Dia do Trabalho e não dos trabalhadores e trabalhadoras, esvaziando o significado politico e de luta de classes que marcou este data no passado.

Aqui em Goiânia, num passado recente, houveram pequenas mobilizações, que se não foram grandes em participação, ao menos propuseram um olhar diferente e mais questionador sobre nossa realidade social. Questionava o próprio trabalho e sua função social, afinal, a riqueza que ele produz tem sido acumulada por poucos.

Enquanto isso, aqueles que suam a camisa, e mesmo os que correm atrás de poder suala em busca de uns trocados, vivem um calvário diário, espremidos em ônibus lotados e demorados, para poderem cumprir o sagrado ritual do trabalho, que, não por acaso, a maioria acha um sacríficio. Mas ele vale a pena, pois depois poderemos desfrutar do sagrado direito ao consumo, tomar nossa cerveja, comprar nosso celular, nosso carro com IPI reduzido, etc, etc...

Afinal, pra quem realmente serve o trabalho?

Lampejo de luta

Esta semana houve um lampejo de luta dos trabalhadores com a greve dos motoristas de ônibus, que aconteceu de surpresa na segunda-feira. Houve um grande transtorno na cidade, muita gente ficou sem trabalhar e logo as autoridades se puseram de prontidão, condenando a greve que consideraram ilegal, pois não foi avisada com antecedência.

A população não apoiou a greve, não simplesmente por que foi prejudicada em seu direito de locomoção, mas porque normalmente é maltratada pelos motoristas, que não tem muito respeito pelo usuário do transporte. Talvez isso seja reflexo das pressões que a categoria sofre dos patrões. Eles deveriam perceber que se solidarizando com a população que tem buscado melhorias no transporte, inclusive com manifestações em alguns terminais, fortaleceriam sua luta por melhores condições de trabalho e contribuiriam decisivamente para pressionar o poder público por melhorias no transporte. Pelo contrário, preferem ficar isolados em seu corporativismo e vendo muitas vezes o usuário como problema em seu dia-a-dia. Isso é algo que a classe dominante sempre adorou e incentivou, trabalhador contra trabalhador.

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Os sons e movimentos do final da semana...

Chegou a sexta, e as ondas sonoras e os corpos se movimentam pela cidade com mais intensidade. No Centro Cultural Eldorado dos Carajás tem samba, com o grupo No Começo do Samba. Eu nunca tinha ouvido falar deles, mas na apresentação que li diz que eles desenvolvem seu trabalho desde os anos 80.

No Circo Lahetô - mais uma vez como palco para vários genêros musicais - tem a festa Do Samba do Rock com as bandas Pedra 70, com seu revival do rock brazuca anos 70, e a Zé Queixinho, revisitando o samba rock. Animadíssimo.

Os Passarinhos do Cerrado se apresentam no Goiânia Ouro e as atividades ligadas ao Dia da Dança continuam até o domingo.

Amanhã, Dia do Trabalhador, vão haver atividades promovidas pela CUT, aparentemente mais voltadas à recreação do que à reflexão ou o protesto. Na Praça do Trabalhador vão acontecer shows dos artistas goianos Lucas e Diogo, Pedra 70 e Zé Queixinho - olha eles ai de novo - e pra encerrar Geraldo Azevedo e Chico Cesár.

Tem até Alexandre Pires gente...e certamente muito coisa por ai que não está aqui. Siga o sons e os movimentos.

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Passarinhos em cena


E não é só de coco que vivem os Passarinhas do Cerrado. Nesta quinta e sexta o grupo volta a apresentar o espetáculo A Peleja da Menina que Caiu em Conversa de Passarinho, no Centro Cultural Goiânia Ouro.

Não vi o trabalho, mas pelo que já conversei com a galera, ele remete ao inicio do trabalho dos Passarinhos, com enfâse na cantigas de roda e no universo infantil. Uma nova guinada mirando as origens.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Dança em Territórios


Movimento Dança, Dança Movimento...

Nóbrega faz ode à música brasileira


Antônio Nóbrega é um desses artistas que podem ser considerados puristas. Para ele não há espaço em sua obra para hibridismos, principalmente com a música pop, como fazem muitos artistas da música brasileira de hoje em dia considerados "descolados". Essa postura, herança do Movimento Armorial, rendeu-lhe inclusive polêmicas com a turma do Mangue Beat, a quem ele nunca admirou muito e, diga-se, parece que a recíproca é verdadeira.

Seu show de ontem no Música no Campus é a prova de seu amor, em sua próprias palavras, e acima de tudo, compromisso com a música brasileira em sua essência. Frevo, baião, xaxado, coco, ciranda, maracatu, choro e samba foram os pontos de parada dessa viagem por nossa música.

É claro que a enfâse foi dada ao sons da região nordeste, pois ai reside sua origem, sua história. Um passeio saboroso pela obra de Jackson do Pandeiro marcou o inicio da catarse dançante que se tornaria o show dali em diante. Houve espaço para Nelson Cavaquinho e Ernesto Nazareth.

Escudado por uma banda perfeita, Nóbrega fez seu espetáculo à parte, tocando viola clássica, bandolim, cantando e dançando com um vigor invejável. Interagiu com o público, descendo do palco e dançando alegremente.

Independente de ser purista, de ter uma opinião controversa sobre o que é música de qualidade, Nóbrega impõe respeito pois é um artista honesto e coerente com o que acredita, com a arte que se propõe a fazer. Em uma palavra: encanta.

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Projeto 96 oferece oficinas gratuitas


Boa notícia! Quer fazer oficina de teatro? de dança? de circo? É o que oferece o Projeto 96, produzido pela Lúdica Eventos e Projetos Culturais e realizado pelo Circo Lahetô, Cia Teatral Nu Escuro e Grupo Solo de Dança.

E o melhor, tudo de graça. Bela iniciativa, a cidade agradece.

Antônio Nobrega em Goiânia, no Música no Campus


E por falar em Movimento Armorial, ai está seu mais legítimo herdeiro em atividade, Antônio Nobrega, que vem a Goiânia para se apresentar na abertura da temporada 2010 do interessante projeto Música no Campus.

Agora estou esperando eles trazerem alguém mais iconoclasta, no caso, Tom Zé, artista que tem lançado trabalhos incríveis mas que ninguém se anima em traze-lo pra Goiânia. No inicio deste ano em entrevista que participei na rádio Universitária ao lado do maestro Jarbas Cavendish, da banda Pequi, e que sei que é um dos curadores do evento, joguei-lhe a ideia de trazer o homem. Quem sabe...

domingo, 25 de abril de 2010

Sertão abre temporada 2010 do projeto Segunda Aberta


O grupo Sertão é a atração da abertura da temporada 2010 do projeto Segunda Aberta, que ocorre no Centro Cultural Goiânia Ouro.

O Sertão surgiu há cerca de 4 anos, formado por Jefferson Leite na viola clássica e rabeca, Olavo Telles na viola caipira e Luís Clímaco no violão. Passaram pela percussão Flavinho, Sérgio Pato e hoje quem assume o ritmo é Edilson Morais.

Me lembro de quando vi o primeiro show deles, no Festival de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros, em 2007. Logo lembrei do movimento Armorial, que os influencia bastante, mas o que mais marcou foi a mistura da sonoridade da viola caipira do centro-oeste com o som da rabeca nordestina, além das composições próprias. De lá pra cá o trabalho só melhorou e hoje eles são dos principais representantes da música instrumental brasileira em Goiás.

Sobre o Segunda Aberta, é um projeto muito legal, que dá espaço para vários músicos num dia meio morto culturalmente, a segunda-feira. Ele já existe desde os anos 80, quando era realizado em bares da cidade. Nos últimos anos voltou a ser realizado no Goiânia Ouro, com a coordenação do incansável Carlos Brandão.

Eu já tive a oportunidade de tocar lá duas vezes, com o Vida Seca e a Minadágua, e no dia 17/05 estarei lá novamente com a Pó de Ser.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Chegou a sexta e com ela...


vem a 3ª edição da Virada do Samba, evento que vem aglutinando várias bandas da cidade que se dedicam ao gênero musical que todo brasileiro adora, com exceção dos doentes do pé. Mais um vez o picadeiro desse espetáculo será o hoje badalado e sempre agradável espaço do Circo Lahetô, a partir das 22 horas.

Tem também mais teatro com II Festival Nacional de Teatro de Goiânia, que continua com sua programação e vai nos trazer música depois das peças, com meu amigo Diego de Moraes no café do Goiânia Ouro, também a partir das 22 horas.

Acabou de começar no Centro Cultural Eldorado dos Carajás a apresentação de outros amigos, o pessoal do grupo Sertão, com seus forrós, baiões, catiras e modas. Ê trem bão!

E por fim a minha satisfação de ter visto ontem o espetáculo do Circo Teatro Udi Grudi, Devolução Industrial, muito lúdico, divertido e com as suas incríveis engenhocas musicais que já tinham me encantado quando assisti O Cano, outro trabalho genial desta turma de Brasília.

Bons ares para este fim de semana...

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Dúplice é múltiplo


Assisti ontem ao espetáculo Dúplice, dos artistas Rodrigo Cruz e Rodrigo Cunha, na programação do II Festival Nacional de Teatro de Goiânia. O teatro estava lotado, mais uma mostra de que a cidade possui plateia cativa para as artes cênicas, fato que pude perceber nos últimos festivais que frequentei.

Essa platéia, eu incluso, se encantou com as múltiplas sensações que este trabalho experimental nos causou. Desde aquele estranhamento e distanciamento que podemos sentir com a dança contemporânea até o riso e entrega que temos diante dos palhaços. Outros aspectos fundamentais e surpreendentes são a sonoplastia e a trilha sonora, produzidas pelas bocas e corpos dos protagonistas. São fantásticas as cenas em que os dois, de costas para o público, produzem sons e coreografias que se complementam. Em alguns momentos parecem duas crianças brincando, em uma disputa imaginária, cheia de ludicidade.

Ainda na fila do ingresso, uma moça comentou com sua amiga: "esse espetáculo não é de teatro, é de dança...não estou muito afim de ver dança...". Esse sentimento é até normal, afinal, trata-se de um festival voltado ao teatro. Mas o fato é que Dúplice não é um espetáculo de dança, nem de teatro. Podemos ver em cena elementos destas duas linguagens artísticas, não estancados, mas sim numa simbiose, e é exatamente nesta indefinição que reside toda a força do trabalho. Somos levados a um lugar onde não é uma linguagem definida que nos envolve, mas sim essa situação de transitoriedade em que várias sensações são experimentadas, desde os estímulos sonoros, cinestésicos, até o humor mais bobo, físico, que comunica de maneira tão incrivel com a platéia, sem a necessidade de qualquer palavra.

Dúplice é das coisas mais surpreendetes, divertidas e criativas que eu já vi nas artes cênicas.

Curtas e debates

Duas iniciativas muito boas do II FNTG são a mostra de cenas curtas, que acontecem antes e depois do espetáculos principais, e os debates sobre estes que acontecem logo após a última sessão, no cinema do Goiânia Ouro. Um trabalho importantissimo para a formação de público, troca de experiências entre artistas e para que a platéia possa dar suas impressões e as vezes buscar uma melhor compreensão dos processos que levaram a construção do que viram no palco. Parabéns aos organizadores.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Respeitável público! Circo Teatro Udi Grudi amanhã!


Um dos espetáculos de artes cênicas mais marcantes da minha vida foi O Cano do fantástico Circo Teatro Udi Grudi, de Brasília. Misturando técnicas de palhaço, mímica, teatro físico, música e engenharia(pode acreditar), conseguiram criar uma peça genial, que envolve e encanta de adultos a crianças.

Agora, nesta segunda edição do Festival Nacional de Teatro de Goiânia, eles apresentam seu novo espetáculo, Devolução Industrial. Procurei informações a respeito, mas não encontrei, nem no endereço eletrõnico do grupo, o que me deixou ainda mais curioso. Vão ser 3 sessões, amanhã às 15 e 21 horas, e sexta-feira às 10 horas, no teatro do Centro Cultural Goiânia Ouro.

Hoje vou assistir ao espetáculo goiano Dúplice, com os Rodrigos Cruz e Cunha, que já ouvi falar muito bem, mas ainda não assisti. Daqui a pouquinho inclusive...

terça-feira, 20 de abril de 2010

Festa de aniversário dos Passarinhos do Cerrado, HOJE!


Me lembro de quando surgiram os Passarinhos do Cerrado, que durante muito tempo pra mim eram as passarinhas, devido ao grande número de moças participando. Era uma proposta mais voltada às cirandas e cantigas de roda, elaborada como um espetáculo de rua.

Passaram-se 4 anos e a proposta mudou bastante. Várias e vários integrantes que passaram por lá se foram e o grupo se firmou com os 6 integrantes atuais, 2 moços e 4 moças. Mudaram também o foco para o côcô pernambucano, mas com uma peculiaridade: letras que falam de Goiás e do Cerrado. Também abandonaram o formato de espetáculo de rua e passaram a se apresentar em palcos.

Foi uma mudança interessante. O grupo se consolidou no cenário goianiense de resgate da cultura popular brasileira e desenvolveu esta forma de hibridismo, unindo um ritmo que não é caracteristico da nossa região com uma poética que trata sobre ela. Hoje eles comemoram a consolidação desta trajetória e convidam os amigos e parceiros para celebrar, acima de tudo, a cultura popular deste grande país.

domingo, 18 de abril de 2010

Festival Nacional de Teatro em Goiânia


Mais um evento que vem se consolidando no movimentando cenário das artes cênicas goianiense, o II Festival Nacional de Teatro de Goiânia, organizado pela Cia Teatral Oops!, acontece em diversos palcos da cidade entre os dias 18 e 25 deste mês.

Entre os destaques da programação o novo espetáculo do Circo Teatro Udi Grudi, de Brasília, Devolução Industrial, além de vários grupos dos estados de São Paulo, Ceará, Bahia e Distrito Federal.

Destaque também para os espetáculos goianienses, como o premiado Dúplice, com Rodrigo Cruz e Rodrigo Cunha.

O Festival traz artistas convidados, mas também possui uma mostra competitiva, que vai distribuir prêmios para aqueles que forem escolhidos como os melhores espetáculos.

Saiba mais no endereço eletrônico http://ciaoops.blogspot.com/

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Música instrumental brasileira nesta sexta


Uma sexta-feira interessante para quem aprecia a riquissíma música instrumental brasileira. No bar Portinha, no setor Sul, se apresenta meu amigo, o violonista Danilo Verano, que além de tocar composições de grandes nomes do violão brasileiro apresentará também suas belissimas composições próprias.

Já no Centro Cultural Eldorado dos Carajás teremos o choro do grupo Alma Brasileira, um dos principais representantes do gênero em Goiânia e impulsionador do projeto Grande Hotel revive o choro, que infelizmente não existe mais.

Para esta apresentação, o fundador do grupo, Oscar Wilde, promete um "’recital didático-informativo e cultural" apresentando um panorama da história do choro.

Quando ? 19:30 - Sexta-Feira, 16 de abril
Gênero ? Chorinho e Samba
Local ? Centro Cultural Eldorado dos Carajás, Av. 83, nº 421, Setor Sul
Fone ? 62 3218-2986

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Carlos Malta e índios Krahô interagem no Martin Cerêrê, HOJE!!!

Uma ótima notícia de última hora, repassada por minha amiga Adriana. O músico Carlos Malta estará interagindo musicalmente com os índios do povo Krahô, hoje, às 20 horas, no Teatro de Arena do Martin Cerêrê, com entrada franca.

Esse evento faz parte da programação da Semana dos Povos Índigenas.

Show: Intercultural Inkre’r
Data: Quarta-feira, 14 de abril
Local: Teatro de Arena do Centro Cultural Martim Cererê
Horário: 20 horas
Entrada franca
Realização: PUC – GO
Apoio: Agepel

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Audiência Pública sobre Lei de Incentivo à Cultura

Uma importante notícia para todos e todas artistas e demais pessoas envolvidas com a arte e a cultura em Goiânia.

Será realizada uma audiência pública para discutir a Lei de Incentivo à Cultura, nesta quarta-feira, dia 14 de abril, às 15 horas, no auditório Jaime Câmara da Câmara Municipal de Goiânia.

Lembrando que no mesmo dia, até as 17 horas, encerra-se o prazo para inscrições de projetos para a mesma Lei.

Resumo da Ópera


Uma ótima notícia postada no blog Minadágua e que eu repercuto aqui. A banda Triêro disponibilizou para ser baixado em seu blog o Resumo da Ópera, ou seja, os três trabalhos que possuem registrados em cd: Voz de Todas as Línguas, Ópera de uma Vida Seca e Trem que Cansa é Andar na Linha.

Para quem aprecia a música brasileira é um prato cheio. Vai lá e baixe http://www.triero.wordpress.com/

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Festival Curralim em Itaberaí


Uma boa iniciativa para levar um pouco de diversidade musical ao interior de Goiás, o Curralim Rock Festival acontece em sua primeira edição, na cidade de Itaberaí, que fica a 102 Km de distância de Goiânia.

Mesmo voltado a um único estilo musical, o rock and roll, o festival traz alguns nomes que ultrapassam as barreiras do gênero, flertando com outras possibilidades, como Diego de Moraes e o Sindicato, que possui ecos da vanguarda paulistana entre outras coisas; DDO, que mistura guitarras com as percussões da tradição popular brasileira; e Torre de Jamel, que traz um caldeirão com sonoridades do jazz, do samba, da música raiz de Goiás e elementos da música eletrônica.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Oficina Cultural Geppetto neste fim de semana

Neste fim de semana serão realizadas as pizzadas culturais de abril da Oficina Cultural Geppetto. Nesta edição se apresentam o grupo musical Fé Menina, na sexta-feira, e Sapequinha, o mágico ecológico, no sábado.


Apresentação: FéMenina Conosco
Grupo: FéMenina
Data: 09 de abril de 2010 – sexta feira
Horário: 20 h serviço e 22 horas apresentação


Apresentação: Sapequinha - O Mágico Ecológico
Grupo: Sapequinha e sua Trupe
Data: 10 de abril de 2010 – sábado
Horário: 20 h serviço e 21:30 horas apresentação


Local das apresentações: Oficina Cultural Geppetto, Rua 1013 n. 467, Setor Pedro Ludovico
Contribuição: R$ 20,00 adultos e R$ 10,00 crianças até 12 anos, inclui pizza, suco, refrigerante e a apresentação
Informações: 3241 8447

terça-feira, 6 de abril de 2010

Diego de Moraes e o Sindicato na Fiction, nesta quinta


Me lembro de quando ouvi pela primeira vez o som do Diego de Moraes, não ao vivo, mas na realidade um cd que, se não me engano, foi lançado somente por ele, com capinha de papelão. Me recordo que a primeira coisa que pensei foi que o som me remetia ao Raul Seixas. Uma visão simplista que com o tempo se desfez, quando pude perceber todas as demais influências e também a originalidade desta grande figura que hoje tenho o prazer de ter como colega na banda Pó de Ser.

Devo confessar que incrivelmente eu nunca vi um show do Diego com o Sindicato. Vi somente ele sozinho, no 1º Encontro de Cantautores, em 2007, no Alternativo Bar. No último Goiânia Noise tentei assistir, mas não deu. Agora estou tentado a ir na Fiction ve-los pela primeira vez, eles que são das grandes revelações dos últimos anos da música goiana e estão lançando em breve seu primeiro albúm.

Roque Fanque Brasil no Club Fiction

Show de Diego e o Sindicato.

Data: Dia 8 de Abril, Quinta-feira.

Hora: 22h30.

Local: Club Fiction - Rua 87, nº 536, Setor Sul.

* Discotecagem: Pablo Kossa, João Lucas e Ivan Pedro.

Ingresso
* Masculino: R$ 20,00
* Feminino: R$ 10,00

Até as 00h ou 100 primeiros com o nome na lista: lista@clubfiction.com.br


Cortesias podem ser adquiridas entrando em contato pelo twitter http://twitter.com/fosforocultural

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Vivo!

Ontem fui conferir a festa Móveis convida promovida pela banda brasiliense Móveis Coloniais de Acaju em parceria com a Fosfóro Cultural. Trata-se de uma iniciativa muito interessante, iniciada em Brasília, onde a banda anfitriã convida outros grupos para compor o evento produzido por ela. Deu tão certo que eles agora vem realizando em várias cidades do país, a terceira vez aqui em Goiânia, desta vez com os convidados Umbando, Radiocarbono e Tirowillians(DF).

Cheguei tarde ao evento que iniciou cedo, coisa rara para Goiânia, e acabei pagando 20 reais, que achei caro, assim como a cerveja a 3 reais a lata. O show do Umbando estava acabando, e assisti somente o do Móveis, que possui um dos shows mais animados que já vi. Eu os tinha assistido no último Goiãnia Noise, com o Martin Cerêrê transbordando de gente, mas me pareceu que ontem as pessoas estavam ainda mais eufóricas. Elas cantavam todas as letras e pulavam sem parar.

Em comparação a quando ouvimos seu cd em casa, sua apresentação ao vivo realmente está em outro patamar. É um banda que funciona muito, mas muito melhor, no palco. O vocalista tem muito carisma e animação, os metais, que pra mim são a alma da banda, tem grande presença e protagonizaram excelentes solos. Na verdade todos os músicos são muito desenvoltos e existe um equilibrio muito bom em relação à presença de palco de todos. O que mais me chamou atenção no repertório foi uma versão para Como Vovó já dizia, de Raul Seixas e Paulo Coelho, imagino que uma resposta ao onipresente pedido "toca Raul!!", e uma inserção de Glory Box do grupo britânico Porstihead.

Realmente quem sabe faz ao vivo, e o Móveis segue esse ditado a risca.

quinta-feira, 1 de abril de 2010

O dia em que topei com Ingmar Bergman

Vi que está em cartaz no Cine UFG uma mostra de filmes do cineasta sueco Ingmar Bergman, com curadoria do meu ex-professor Lisandro Nogueira. É uma oportunidade de ver seus clássicos absolutos, como O Sétimo Selo e Morangos Silvestres, e outras obras fascinantes deste incansável artista.

Lembro-me de quando topei pela primeira vez com esse homem que explorou as profundezas da alma humana em seus filmes. Foi a cerca de 12 anos talvez, quando vi uma resenha em algum jornal anunciando que O Sétimo Selo estava em cartaz no Cine Cultura.

Àquela altura eu era um aficcionado em filmes, mas ainda estava muito preso ao cinema norte-americano e tinha começado a me aventurar em filmes mais antigos, mas ainda não me arriscara além dos coloridos. Resolvi então conferir aquele filme que o jornal tratou como obra-prima e que iria transformar minha visão do cinema, da arte e da vida.

A saga do cruzado Antonius Block, que enfrenta a morte em sua crise de fé, em sua busca da verdade, teve grande impacto sobre a minha visão de mundo, de Deus, da morte. Fiquei marcado pela incognita deixada pelo filme. Por outro lado, esteticamente, alarguei meus horizontes sobre o cinema e descobri que um filme em preto e branco poderia ter muito mais cores que muitos dos filmes coloridos que vemos por ai. Percebi que o cinema era um mundo vasto além de Hollywood e que a arte poderia ser muito mais que somente entretenimento.

Depois disso me tornei frequentador do Cine Cultura e tive grandes experiências cinematográfica naquela pequena sala de cinema. A partir dali nada foi como antes, graças a Bergman.

segunda-feira, 29 de março de 2010

Palhaçadas, Bufadas e Marchinhas

Neste final de semana fui finalmente conferir o Festival Palhaçada, quando este, infelizmente, já estava em seu último dia, o sábado que passou. Teatro lotado no Martin Cerêrê para a primeira peça da noite, Gueto Bufo, da gaúcha Cia do Giro. Certamente o público não estava preparado para o que veria, um espetáculo teatral adulto, crítico e de um humor iconoclasta, com momentos de grande lirismo.

O enredo é focado nas divagações e experiências de duas moradoras de rua, que se acomodam para dormir em frente a uma igreja, aparentemente católica. Neste palco, elas são as vedetes rememorando traumas, alegrias, debochando do machismo, da hipocrisia da Igreja, dos abusos contra os marginalizados, da moral conversadora. Uma carga sexual subversiva permea toda a peça, pondo em xeque os recalques e moralismos da platéia. Assim elas vão escancarando as demarcações dos guetos sociais, com o melhor da técnica bufanesca, que é buscar a poesia no grotesco.

Grotesco esse aliás que causou grande desconforto em alguns pais e mães desavisados que levaram suas crianças para assistir a um espetáculo que nem todo adulto engoliria.

O espetáculo certo para eles foi o apresentado em seguida, Semi Breve, com a dupla de palhaças Las Cabaças, do Pará. Esse sim, um espetáculo leve, que remonta à tradição dos palhaços circenses. A criançada e os adultos se divertiram muito.

No intervalo entre essas duas apresentações, números de malabarismo e a incansável Cia de Teatro Nu Escuro, que apresentou uma excelente adaptação da obra Boa Medida, de Lima Barreto. Mantendo a base da obra, a história de um Sultão que consulta diversas autoridades de seu reino para resolver os problemas do povo para no fim manter seus próprios privilégios, a Nu Escuro genialmente inseriu na adaptação fatos de opressão ao povo ocorridos em Goiânia, como o caso da ocupação Sonho Real, no Parque Oeste Industrial("nosso reino está sofrendo ameaças de forças do oeste...industrial") e o espancamento sofrido por foliões pela PM no carnaval deste ano.

Parabenizo a tod@s que organizaram o 2º Palhaçada e que venha o terceiro!

Para fechar essa postagem, uma nota sobre o espetáculo musical que fui assistir no domingo Sassaricando, e o Rio inventou a Marchinha. Inicialmente pensei tratar-se de um musical com um enredo, mas não foi o caso. No inicio uma das personagens lê uma carta testamento de seu avô(a voz em off de Hugo Carvana), que acaba por lhe deixar como principal herança gravações de marchinhas. A partir disso são apresentadas em sequência várias marchinhas que marcaram época nos carnavais cariocas, apresentando assim, através de suas letras, uma espécie de crônica de personagens e comportamentos da cidade, com muito humor e deboche típicos deste gênero carnavalesco. A pesquisa é assinada por Sérgio Cabral e Rosa Maria Araújo.

Uma banda precisa e virtuosa(Oscar Bolão na bateria!!), os ótimos arranjos de Luís Filipe de Lima e interpretes muito bons e simpáticos, como Eduardo Dussek, garantiram a empatia do público, mesmo que em alguns momentos a encenação das canções se torne um pouco enfadonha, principalmente no primeiro ato. Mas no final valeu, afinal, marchinhas são realmente irresistíveis.

Meu único lamento fica para o destaque dado por Dussek ao final do espetáculo, nos agradecimentos, a presença do senador Demostenes Torres, aquele mesmo que andou falando coisas estúpidas a respeito da escravidão no Brasil quando defendia o fim das cotas em universidades para negras e negros. Lamentável.

sábado, 27 de março de 2010

Solidariedade acima da brutalidade


Essa imagem, registrada pelo fotográfo Claynton de Souza, da Agência Estado, me fez pensar bastante. Um professor ajuda um policial ferido, em meio as agressões sofridas por seus colegas pelos parceiros daquele que ele ajuda. A greve dos professores em São Paulo tem sido duramente reprimida pelo governo Serra através da Policia Militar.

Sou professor aqui em Goiânia e fui agredido junto a várias pessoas pela PM goiana, durante o último carnaval. Não era uma manifestação, apenas estavamos nos divertindo e fomos expulsos da rua pela violência oficial, sem motivos plausíveis, se é que eles poderiam existir.

Diante disso eu me pergunto se teria a mesma solidariedade deste professor para com o policial ferido. Não sei. De qualquer maneira seu ato mostra que a solidariedade humana muita vezes consegue ser mais forte que a barbárie.

quarta-feira, 24 de março de 2010

Quem paga a conta?

Hoje ao ler o jornal O Popular, ainda sobre a polêmica do Oscar Niemeyer, fiquei sabendo de dados sobre o caso. Eu até tinha pensado em dizer que são chocantes, mas diante de tudo o que já vimos na política brasileira esse adjetivo já perdeu o sentido.

Mas vamos então aos números: a obra deveria ter custado inicialmente R$ 12 milhões, mas até hoje foram gastos R$ 65 milhões.

O Tribunal de Contas do Estado acusou em seu relatório superfaturamento de 29.000 %. Um exemplo: cadeiras orçadas em R$ 20 mil.

O governo de Marconi Perillo deixou R$ 5 milhões de uma divida referente ao Centro.

Parece-me então que não devemos somente cobrar a abertura do Centro Cultural, mas acima de tudo cobrar os responsáveis por essa lambança, que sabemos muito bem quem é. Esse papo de que “não queremos apontar responsáveis, mas sim ver o Centro Cultural Oscar Niemeyer funcionando” é tapar o sol com a peneira e defender uma conciliação que somente interessa aos que mais uma vez tripudiariam da coisa pública. Quem vai pagar a conta?

segunda-feira, 22 de março de 2010

Cinismo eleitoral e artistas dóceis

Esta semana o novo ícone da direita goiana, Marconi Perillo, realizou um encontro ``suprapartidário`` com diversas pessoas do segmento artístico goianiense. O tema: a recuperação do Centro Cultural Oscar Niemeyer. O mesmo que ele inaugurou às pressas no final de sua gestão como governador, sem que a obra tivesse as condições para tal.

Como disse em artigo recente, seu ex-vice, hoje inclusive seu adversário, nos fez o desfavor de manter no abandono uma obra que já nasceu deficiente e servindo como objeto de projeção eleitoral para Perillo, que agora vem, com todo o cinismo e cara de pau que os políticos brasileiros cultivam, clamar à classe artística que se una em prol da recuperação do espaço.

Somente os ingênuos não percebem que a reunião foi parte de uma estratégia eleitoral, já que o PMDB, principalmente na figura do deputado estadual Thiago Peixoto, vinha buscando usar a insatisfação de artistas e de parte da população para ter ganho político. Até publicou um artigo em um jornal da capital adulando os roqueiros que estão organizando uma manifestação contra o abandono do Centro. Marconi, astuto e ardiloso, começou então a desfiar elogios à mobilização via Twiiter e logo articulou a tal reunião.

Me pergunto o critério para convidar os artistas lá presentes. Não conheço os interesses dos que estavam lá, mas sei que alguns estavam lá de curiosos, imagino que outros de oportunistas e muitos como bons puxa-sacos dos poderosos que são. De todos esses, nenhum teve a coragem de questionar o porque da inauguração apressada e precipitada do Centro Cultural Oscar Niemeyer. Com certeza os que a tem não foram convidados.

A relação da classe artística com os governos é sempre complicada, pois esta depende demais dos incentivos públicos para se manter viável como atividade econômica que possa remunerar artistas, produtores e demais pessoas envolvidas no segmento. Essa relação muitas vezes descamba para artistas chapa branca, atrelados a políticos, que perdem a coragem de ser críticos, com medo de serem preteridos nos editais e convites para eventos promovidos pelos governos. É claro que muitos artistas são conservadores e sempre estarão prontos pra apoiar e calar perante qualquer um que esteja no poder, para sempre estarem dentro das panelas de favorecidos. Mas me preocupo com outros, que por medo ou oportunismo, se tornem dóceis e deixem de exercer uma das principais virtudes da arte, que é trazer à tona as contradições da realidade, doa a quem doer.

domingo, 21 de março de 2010

Impressões e notas sobre a música no fim de semana

Alo amig@s leitoras/es! Fiquei sem postar nos últimos dois dias, pois meu PC pifou e estou com dificuldades de acesso a internet. No entanto quero registrar aqui a presença em Goiânia neste fim de semana da banda Triêro, que realizou shows na sexta no Taberna do Ogro, e no sábado participou de um evento na Chácara Santo Antônio, que contou com o revival da banda Coró de Pau.

Destaco também os shows de Danilo Verano e Chico Aafa, na sexta-feira, o primeiro no restaurante Portinha e o segundo no Centro Cultural Eldorado dos Carajás.

De todos esses eventos acabei por comparecer somente ao show de sexta do Triêro, no Taberna, que foi muito prejudicado pela péssima qualidade o som da casa. Vai então o recado pro donos do local para uma melhoria no equipamento, por respeito aos artistas e ao público.

Estive também no Canto de Ouro, que contou com Anthony Brito, do Triêro, Márcia Jiacomo, Larissa Moura e João Caetano. Me agradou muito o show de Anthony, com destaque para as composições em parceria com Kleuber Garcez, por vezes de um forte lirismo calcado em nossa cultura popular e também com um humor debochado, como em Na frente do Trio Elétrico. João Caetano fez um show com muita emoção em suas interpretações, com seu repertório já bem conhecido de belas canções.

quinta-feira, 18 de março de 2010

Anthony Brito no Canto de Ouro

(Anthony, o primeiro a direita, e seus companheiros do Triêro)

Hoje, amanhã e sábado teremos a oportunidade de apreciar as belas composições de Anthony Brito, integrante do grupo Triêro, em mais uma edição do projeto Canto de Ouro. Trata-se de um grande talento e de um colega com quem já dividi palco e estúdio. Como ultimamente ele anda longe de Goiânia, é uma rara oportunidade de conferir seu trabalho.

Ao seu lado estarão também o veterano compositor João Caetano, e as cantoras Larissa Moura e Márcia Jácomo.

Show: Anthony Brito, João Caetano, Larissa Moura, Márcia Jácomo
Data: 18, 19 e 20 de março
Horário: 21h
Ingresso: 10 reais (inteira) e 5 reais (meia)
Show no Café Cultura com Wanderson Postigo
Horário: 20h e 22h25
Entrada Franca
Local: Centro Municipal de Cultura Goiânia Ouro
Rua 3, esq. com rua 9, Centro
Informações: 3524-2542

Data: 18, 19 e 20 de março Horário: 21h Ingresso: 10 reais, meia 5 reais

quarta-feira, 17 de março de 2010

Show com Pó de Ser e Torre de Jamel no Taberna do Ogro


As bandas Pó de Ser e Torre de Jamel se apresentam hoje no bar Taberna do Ogro, em mais um evento de lançamento da coletânea Radio Grafia, projeto da Tambor Produções.

É uma oportunidade de ver dois interessantes trabalhos da atual cena da música popular em Goiânia. Pó de Ser apresenta suas crônicas dos bichos urbanos embaladas por uma inusitada mistura sonora. Torre de Jamel nos envolve com sua música instrumental que passeia pelos sons de tão perto e tão longe. Com certeza duas propostas inovadoras e provocativas.

Hoje é sua chance de conferir.

www.myspace.com/podeser
www.myspace.com/torredejamel

V Sarau Indygesto hoje!


E o salutar Sarau Indygesto chega à sua V edição, firmando-se como um espaço de encontros e trocas de experiências, de poesia, música, novas ideias e vontade de mudança.

Você está convidado/a a levar e apresentar suas poesias, músicas, letras, textos, fotografias, desenhos!

Nesta quarta-feira, haverá roda de capoeira!

O evento vai das 18h às 23h.

Endereço:
Rua 238, n. 139, setor Coimbra.
Fica próximo a Praça A e em frente a uma Igreja São Judas Tadeu.

terça-feira, 16 de março de 2010

Festival do Minuto no Cineclune Cascavel



Cineclube Cascavel - Rede de Exibição do Festival do Minuto - Hoje, dia 16/03, 19h30, Centro Cultural Cara Vídeo - http://bit.ly/cPo3V4

segunda-feira, 15 de março de 2010

2º Festival Palhaçada movimenta as próximas semanas


Uma ótima notícia para esta semana que começa e a próxima, o 2º Palhaçada vai oferecer aos goianienses diversos espetáculos, oficinas e debates.

Confira a programação e mais informações no endereço http://palhacada2010.blogspot.com/

quinta-feira, 11 de março de 2010

Oficina Cultural Geppetto neste fim de semana

Mais uma edição da sempre especial Oficina Cultural Geppetto, que todo mês oferece pizzadas acompanhadas de apresentações artísticas. Neste fim de semana teremos como atração musical meu amigo e grande violonista, Danilo Verano, e o espetáculo Brasil Brasileiro com o mímico Miquéiaz Paz.

O endereço é Rua 1013, Qd.39, Lt.11, N°467, Setor Pedro Ludovico, Goiânia, Goiás.


Apresentação: “Danilo Verano Hoje”

Local: Oficina Cultural Geppetto

Data: sexta-feira - 12 de março de 2010

Horas: 20:00 h serviço e 22:00 h apresentação

Contribuição: R$ 20,00 adultos e R$ 10,00 crianças até 12 anos (inclui pizza, suco, refrigerante e apresentação)

Informações: 3241 8447

www.myspace.com/daniloverano

www.youtube.com/veranodan


Espetáculo: Brasil Brasileiro

Artista: Míquéias Paz

Data: 13 de março de 2010 (sábado)

Horário: 20:00 h serviço e 21:30 h apresentação

Local: Oficina Cultural Geppetto

Contribuição: R$ 20,00 adultos e R$ 10,00 crianças até 12 anos (inclui pizza, refrigerante, suco e apresentação)

Informações: 3241 8447

www.mimicomiqueiaspaz.kit.net

quarta-feira, 10 de março de 2010

IV Sarau Indygesto

Chamamos companheiros, companheiras, amigas, amigos para o Sarau Indygesto!

Traga suas poesias, rimadas ou não, textos, letras de músicas e o que mais! A idéia é trocarmos nossas leituras, histórias, músicas, ouvirmos um som de vinil, trocar idéias, sentimentos, compartilhar o mundo novo que carregamos em nós!

saudações poéticas!

O quarto Sarau Indygesto vai ser::
Quarta-Feira, 10 de março, das 18h às 23h

Endereço:
Rua 238, n. 139, setor Coimbra.
Fica próximo a Praça A e em frente a uma Igreja São Judas Tadeu.